Campanha Boas Práticas de Educação Inclusiva

Descrição de imagem: Fotografia colorida de uma menina morena, usando óculos de armação amarela. A menina está manuseando várias letras do alfabeto com o auxílio de uma mulher, que está em pé. Fim da descrição.

Participe da Campanha de Boas Práticas de Educação Inclusiva promovida pela Fundação Dorina Nowill para Cegos. Este é uma oportunidade importante para compartilhar com outros profissionais da educação bons exemplos que podem ser aplicados em sala de aula para alunos com deficiência.

Caso tenha uma boa prática para apresentar, envie para a Fundação Dorina e participe dessa iniciativa tão importante para garantir o desenvolvimento educacional e a inclusão de alunos com deficiência. Confirma o regulamento!

CAMPANHA “BOAS PRÁTICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA”
DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE PARTICIPAÇÃO

1. Objetivos

1.1. A campanha “BOAS PRÁTICAS DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA” é uma iniciativa da FUNDAÇÃO DORINA NOWILL PARA CEGOS e tem por objetivos:

a) Estimular e promover a educação inclusiva para professores, pesquisadores e estudantes;

b) Promover práticas de educação inclusiva relacionadas à deficiência visual e realizadas pelo Brasil, que possam ser exemplo para outros profissionais;

c) Reconhecer e compartilhar os esforços de profissionais da educação para garantir um desenvolvimento equitativo a pessoas com deficiência em sala de aula, adaptando materiais, linguagem e recursos educativos.

2. Participação

2.1. A participação na campanha é voluntária e gratuita, não estando condicionada ao pagamento de qualquer quantia e/ ou valor, pelos participantes;

2.2. Podem participar do Concurso Cultural todas as pessoas físicas, professores; educadores; pesquisadores; estudantes e demais interessados que reconheçam seu trabalho como uma boa prática de educação inclusiva;

2.3. Os interessados devem enviar suas atividades por meio de vídeos de até 5 minutos (podem ser amadores e produzidos com um telefone celular, por exemplo), e/ou seleção de até 10 (dez) fotografias em alta resolução (10×15 cm – 300dpi – JEPG); e/ou apresentações em power point ou ilustrações;

2.4. Na inscrição deve constar um resumo da atividade, contexto em que foi utilizada, quantidade e faixa etária das pessoas impactadas, a cidade em que a atividade foi ou está sendo aplicada e o que levou a prática a ser desenvolvida. Exemplo: a entrada de um aluno com deficiência na escola; o interesse por trabalhar a diversidade e inclusão em sala de aula ou outras razões;

2.5. Serão avaliadas até 02 (duas) práticas realizadas por cada participante.

3. Período de realização

3.1. As datas e etapas de realização da Campanha Boas Práticas de Educação Inclusiva são as seguintes:

a) Etapa I – Até 29/09/2017 – Período de inscrição e envio de material;

b) Etapa II – 02/10/2017 a 13/10/2017 – Seleção e avaliação da Comissão Avaliadora;

c) Etapa final – 20/10/2017 – Divulgação das Boas Práticas de Educação Inclusiva.

4. Material

4.1.  Os materiais devem conter fotografias, ilustrações, vídeos que retratem a aplicação de práticas de educação inclusiva que facilitaram o desenvolvimento escolar de alunos com deficiência;

4.2. Para participar, os interessados devem enviar o material até o dia 29 de setembro de 2017;

4.3. O e-mail para envio é: trocandosaberes@fundacaodorina.org.br;

4.4. Os materiais devem ser enviados anexos ao e-mail em vídeos de até 5 minutos (podem ser amadores e produzidos com um telefone celular, por exemplo), e/ou seleção de até 10 (dez) fotografias em alta resolução (10×15 cm – 300dpi – JEPG); e/ou apresentações em power point ou ilustrações;

4.5. Serão validados os materiais em que constarem nome completo do participante, ocupação, endereço, RG, CPF, e-mail e telefone.

5. Avaliação

5.1. A comissão avaliadora é formada por profissionais da Fundação Dorina Nowill para Cegos que estão envolvidos em ações de educação inclusiva:

a) Ana Rita de Paula – Doutora em psicologia, consultora na área de atenção às pessoas com deficiência

b) Eliana Cunha – Coordenadora de Educação Inclusiva da Fundação Dorina

c) Maria Cristina Godoy Cruz Felippe – Professora especialista na área da deficiência visual e membro do Conselho Curador da Fundação Dorina Nowill para Cegos

d) Maria Regina Lopes – Assistente social da área de Serviços de Apoio à Inclusão da Fundação Dorina

e) Regina Oliveira – Coordenadora da Revisão Braile da Fundação Dorina

5.2. Serão publicadas e selecionadas 05 (cinco) práticas de educação inclusiva que sigam as indicações do regulamento;

5.3. Serão avaliadas a usabilidade, criatividade e praticidade das atividades, além da adequação ao tema proposto: Práticas de Educação Inclusiva;

5.4. Não serão aprovados os vídeos que não contiverem o Termo de Cessão de uso de imagem das pessoas que aparecem;

5.5. No caso de haverem menores de idade, o termo deverá ser assinado pelos responsáveis legais;

5.6. Não serão avaliados os materiais que exponham pessoas de maneira pejorativa ou que assedie ou invada a privacidade alheia, seja vulgar, profano, sexualmente explícito, obsceno, racial ou etnicamente ofensivo, ou, de qualquer outra forma, inaceitável por causar riscos ou danos de imagem;

5.7. Não serão avaliados materiais que contenham palavras de baixo calão, ofensivas à moral e aos bons costumes;

5.8. Serão automaticamente desclassificados os materiais de conteúdo nocivo, doloso, ameaçador, ofensivo, calunioso, difamatório, desrespeitoso, infundado, discriminatório, criminoso, e/ ou que deixem de atender critérios de veracidade.

6. Divulgação dos selecionados

6.1. Os participantes e práticas selecionados serão publicados na plataforma Trocando Saberes no dia 20 de outubro de 2017;

6.2. A campanha será divulgada em âmbito nacional, Fanpage da instituição e em veículos de imprensa;

6.3. Os materiais devem ser enviados anexos ao e-mail em vídeos de até 5 minutos (podem ser amadores, produzidos com um telefone celular), e/ou seleção de até 10 (dez) fotografias em alta resolução (10×15 cm – 300dpi – JEPG); e/ou apresentações em power point ou ilustrações.

7. Reconhecimento

7.1. Os participantes receberão um Certificado de Participação por e-mail chancelado pela Fundação Dorina;

7.2. As práticas selecionadas serão publicadas na plataforma Trocando Saberes e os selecionados receberão um Certificado de Reconhecimento por Boas Práticas de Educação Inclusiva por e-mail chancelado pela Fundação Dorina;

7.3. Os participantes que tiverem suas práticas selecionadas também serão entrevistadas e terão as práticas divulgadas no Blog da Fundação Dorina e na Fanpage da instituição.